[em class=”fa fa-edit”][/em] About Us

A much mammoth because sedulously that in more regarding coaxingly...

A much mammoth because sedulously that in more regarding coaxingly wallaby more ouch fluently saw rabbit talkatively tore less like about despite..

more detail

A VERDADE SOBRE DÍZIMO

Dízimo, deve-se ou não pagar?

 

Fizeram da casa de meu Pai um covil de ladrões

(Jesus em Mt 21,13).

Introdução

A nossa proposição nesse texto é apenas a de defender-nos da acusação insana de um

Assim, não temos por objetivo o de condenar os que assim agem, mas apenas usamos do nosso  pleno direito de defesa.  Nossa intenção  é demonstrar, para quem quiser enxergar, que quem cobra dízimo, especialmente da forma como se faz hoje, age em seu próprio nome e interesse, ou das organizações  religiosas  a que pertençam,  uma vez que não possui nenhum respaldo bíblico ou supostamente divino para tal.

Sabemos ser essa uma questão de certa forma muito delicada, devido  ao largo uso deste instituto pelas  igrejas cristãs tradicionais,  o  que,  aos olhos dos néscios  lhe confere um caráter sacro. Certamente que apresentarão mil e um motivos para justificar a sua cobrança, pois ele,  o dízimo, é, se não a única, a principal fonte do sustento  da cúpula e de toda a hierarquia religiosa; do montante que arrecadam talvez uns  poucos trocados vão realmente para a ajuda aos necessitados. Em alguns   casos vemos sinceridade nessa aplicação; em outros,   apenas visam manter algumas   obras filantrópicas de fachada para, com elas, sensibilizar os   fiéis, para que sejam bem generosos em suas   futuras doações.   Temos consciência de que falar disso vai atrair a ira desses “sepulcros caiados”; mas a verdade precisa ser dita, doa a quem doer.

É importante deixar bem claro que a nossa exegese bíblica tem como objetivo encontrar a verdade, esteja ela onde estiver; em razão disso, fazemos nossas essas palavras do teólogo batista Donald A. Carson (1946- ),  Ph.D.  e professor de Novo Testamento, por julgá-las bem apropriadas a esse nosso estudo:

Uma abordagem cuidadosa da Bíblia capacitar-nos-á a “ouvi-la”  um pouco melhor.  É fácil demais aplicarmos ao texto   bíblico as interpretações tradicionais que recebemos de terceiros.   Então,  podemos involuntariamente   transferir a autoridade das Escrituras para nossas interpretações tradicionais, investindo-as de   um falso   e   até idólatra  grau de certeza.   Como   as tradições são   remodeladas à medida que são ultrapassadas, depois de algum tempo poderemos estar afastados da Palavra de Deus, mas assim insistindo em que todas nossas opiniões teológicas, são bíblicas e, portanto, verdadeiras.

Quando isso acontece,  se estudarmos a Bíblia de  uma forma que não seja crítica,  é  mais do que provável  que iremos simplesmente reforçar nossos erros. Se a Bíblia deve cumprir sua obra de reforma contínua – reforma  de nossas vidas e de nossa doutrina – devemos fazer tudo o que pudermos para  ouvi-la novamente e utilizar os melhores recursos que se encontram à nossa  disposição. (CARSON, D. A.  Os perigos da interpretação bíblica. São Paulo: Vida Nova, 2008, p. 15-16) (grifo nosso)

Embora possamos  perceber que, na sua obra  Os perigos  da interpretação  bíblica, da qual transcrevemos esses parágrafos, Carson ainda se apresenta um pouco ortodoxo, essa sua frase, que destacamos desse seu texto, é lapidar: “se estudarmos a Bíblia de ma forma que  não seja crítica, é mais do que provável que iremos simplesmente reforçar nossos erros”.

Entretanto, os profissionais  da religião da atualidade, tendo vislumbrado  o   “filão de ouro” em que se tornou o setor religioso, estão explorando-o a fundo, inculcando ao fiel menos avisado a idéia de que a obrigação do dízimo do Antigo Testamento também foi sustentada por  Jesus, justificando essa obrigação com a seguinte passagem contida em Mateus:Mt 23,23:  “Ai de vós,  escribas  e fariseus hipócritas, que pagais o  dízimo da hortelã,  do endro e do cominho,  mas omitis as  coisas mais  importantes da lei: a justiça, a  misericórdia e a fidelidade. Importava praticar estas coisas, mas sem omitir aquelas”.

É bem oportuna a explicação  que os  tradutores  da  Bíblia de Jerusalém  nos oferecem  sobre esse passo: “O preceito  mosaico  do  dízimo que se aplicava aos produtos da terra era estendido, por exagero dos rabinos, às plantas  mais insignificantes” (p. 1735) (grifonosso), portanto, ressaltam, com essa exegese, que aqui o dízimo se trata de algo relacionado aos produtos da terra, exegese essa que ressalta o dízimo como algo relacionado aos produtos  da terra, para suprir as necessidades  básicas (alimentação) dos  religiosos,  que não tinham condições de trabalhar a terra.

E mais: encontramos, em  A Bíblia Anotada,  versão bíblica da Editora Mundo Cristão, a seguinte elucidação: dais o dízimo. Dar o dízimo de diversas ervas era uma prática baseada em Lv 27:30. Embora  o dízimo  dos grãos, frutos, vinho  e azeite  fosse exigido (veja também Nm 18:12; Dt 14:22-23), os escribas haviam aumentado a lista dos itens dos quais se exigia o dízimo de modo a incluir as ervas mais insignificantes”. (A Bíblia Anotada, p. 1220) (grifo nosso).

Confirma-se, portanto, a afirmação anterior de que o  dízimo se aplicava sobre os produtos da terra, em estado natural ou processados, como é o caso do vinho e do azeite.

Nessa versão bíblica,  o  mais  interessante é a explicação  que se dá para  o  final do  versículo: “fazer estas cousas, sem omitir aquelas. I.  e., sem negligenciar o dízimo realmente exigido pela lei”. (A Bíblia Anotada, p. 1220). É tão claro  que essa exegese se destina a justificar  o pagamento  do  dízimo  em dinheiro,  que nem se dão   conta de que a Lei não  estabeleceu o pagamento sobre qualquer tipo de renda proveniente de labor humano, uma vez que ela contemplava apenas o resultado da ação divina sobre os produtos da terra, que os faz  crescer e produzir.

Por outro lado, se formos levar ao “pé da letra”,  a palavra de Deus, pelo que consta na passagem, a única coisa que Jesus está afirmando, é que os escribas e fariseus eram pessoas hipócritas,  que faziam mais caso  do  dízimo do  que da  moral religiosa. E como Jesus especifica o dízimo, citando o da hortelã, do endro (em algumas traduções diz-se erva-doce) e do cominho, não  se poderia estendê-lo para mais nada além desses produtos expressamente citados; mesmo porque não estava se falando de contribuição em dinheiro e sim em algo comestível.

Vamos  ver se essa conclusão,  a que chegamos, é procedente ou não; para tanto, é necessário fazermos uma profunda pesquisa nos textos bíblicos, visando elucidar essa questão, certamente, ainda muito controvertida.

 Resultado da pesquisa

Além dos textos bíblicos, buscamos, em algumas outras fontes, saber algo sobre odízimo, cujos textos transcrevemos e sobre os quais teceremos os nossos comentários.

A definição que se encontra no Dicionário Bíblico Universal é:

Dízimo

Etim. latina: décimo.

Javé, o Deus vivo, é fonte da vida. É ele que dá fecundidade às famílias, aos rebanhos e à terra.   Os homens lhe prestam reconhecimento (Os 2,10), trazendo-lhe oferendas: apresentação das “primícias”, do “dízimo” etc.

O dízimo  é a entrega da décima parte  da colheita do campo: grãos, óleo, vinho (Dt 14,22).

Segundo o Deuteronômio, o produto deve ser levado, cada ano, ao santuário que era então o de Jerusalém. A apresentação da oferenda dá lugar a refeições sacrificiais,   às quais é convidado   o  levita (Dt 12,11-12).  Mas a Lei  prevê

também uma forma de transportar em dinheiro, porém novamente transformado em produtos por meio de compra do próprio ofertante, não podia entregar em dinheiro ao sacerdote (Dt 14,25).

A  cada três anos, o  dízimo  é depositado às portas das casas e colocado à disposição do levita, do estrangeiro, do órfão e da viúva (Dt 14,28-29).

Segundo a legislação sacerdotal, o dízimo é entregue aos levitas que devem, por sua vez, entregar a décima parte aos sacerdotes: “o dízimo do  dízimo”, a título de oferenda feita a Javé (Nm 18,21-32). Mas Nm 35,1-8 também prevê a substituição do dízimo por uma doação em terras ou bens de raiz.

É   evidente que essas três regulamentações refletem as preocupações de épocas e de contextos diferentes.

Na época de Neemias,  depois de Malaquias,  o pagamento dos dízimos, por uma população, aliás, bem pobre, foi irregular e negligenciado (Ne 13,10-13; Ml3,8-12).

Ao tempo de Jesus,  os doutores da Lei  aplicavam meticulosamente o dízimo aos produtos mais ínfimos do  solo: o  evangelista enumera a hortelã, a erva doce e o cominho  (Mt 23,23). (MONLOUBOU e DU BUIT,  1997, p. 202) (grifo nosso).

Como se vê o sentido é que de tudo o que fosse produzido pela natureza, é que deveria ser reservada a sua décima parte para Deus, fonte da vida. Essa décima parte era entregue no santuário aos levitas. Sobre a previsão de pagamento em dinheiro, veremos um pouco mais à frente.

Em Dt 14,22 se recomenda separar  o  dízimo de qualquer produto do  campo, ou seja, tratava apenas dos produtos agrícolas. Vejamos o passo:

Dt 14,22-23:  “Todos os anos separarás  o dízimo de todo o produto da tua semeadura que o campo produzir,  e diante de Iahweh teu Deus, no lugar que ele houver escolhido  para aí fazer habitar o seu nome,  comerás o dízimo do teu trigo, do teu vinho novo e do óleo, como também os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas, para que aprendas continuamente a temer a Iahweh teu Deus”.

Já aqui, pelo que se nota, o dízimo era sobre o que resultava da colheita dos produtos do campo; não era para ser dado a ninguém, mas, sim, algo que ia ser comido diante de Deus, no Templo. Desses produtos  a serem consumidos, foram excluídos o trigo, o vinho e o óleo.

Isso demonstra que,  o  que acima se falou dessa passagem como explicação para justificar o dízimo n a forma com se pretende, não confere com o relatado no texto bíblico citado.

É certo que em Dt 12,11-12 se diz sobre  o  lugar da apresentação das  oferendas, que estão, nominalmente,  citadas: holocaustos, sacrifícios, dízimos,  donativos e todas  as ofertas escolhidas; porém, trata-se de uma situação específica, que se relaciona à época em que os  hebreus iriam “receber como herança” as terras dos cananeus.

Seguindo em frente, iremos ver o ponto dito sobre o pagamento em dinheiro:

Dt 14,24-26:  “Caso o caminho seja  longo demais para ti, e não possas levar  o dízimo – porque o lugar que Iahweh teu Deus escolheu para aí colocar o seu nome fica muito longe de ti,  quando  Iahweh teu Deus te houver abençoado, –  vende-o então por dinheiro, toma o dinheiro e em tua mão e vai para  o  lugar que Iahweh teu Deus houver escolhido.  Lá trocarás o dinheiro por  tudo o que desejares: vacas, ovelhas, vinho, bebida embriagante,  tudo  enfim que de apetecer.  Comerás lá, diante de Iahweh teu Deus, e te alegrarás, tu e tua família”.

Fica claro,   então, que não   havia aqui nenhum tipo   de pagamento de dízimo em dinheiro,   conforme tentaram justificar no dicionário   ao   citar Dt 14,25, mas, sim, um procedimento que poderia ser adotado  por aqueles que não tinham condições  de levar seus produtos, por morar longe,  que poderiam ser vendidos e comprados  outros em seu lugar, provavelmente no   comércio existente dentro   do   templo, ou seja,   fazia-se apenas uma substituição. Depois, como no passo anterior (Dt 14,22-23), tudo deveria ser comido diante de Deus.

Estamos diante, não do dízimo, que deveria ser entregue aos sacerdotes, mas de uma descrição  do  que poderíamos  chamar de uma refeição comemorativa.  O dízimo propriamente dito nós iremos nos referir a ele mais à frente, ao abordar outro trecho bíblico (Lv 27,30-32).

Na seqüência,  no passo Dt 14,28-29,  está ordenado que a cada três  anos, o dízimo seria colocado nas  portas da cidade,  para que  o  levita,  o estrangeiro,  o  órfão e a viúva que  vivem nas cidades comessem até ficarem saciados. Essa mesma recomendação é repetida em Dt 26,12.

Aos levitas eram destinados os dízimos arrecadados (Nm 18,21.28), que, por sua vez, tinham que reservar a décima parte, ou seja, o dízimo dos dízimos, para dá-la especificamente  a Aarão,   sacerdote daquela época. Embora tenha sido   estabelecida como um estatuto  perpétuo,  parece-nos que isso  não  está contemplado na legislação  permanente: “Os  dízimos foram prescritos na Lei Mosaica (Ex 22,29; Lev  27,30-34).  (Dicionário Prático  – Barsa, 1965, p. 81). Em outras traduções, o teor de Ex 22,29 da Barsa consta em Ex. 22,28. Ressaltamos a questão de ser na época de Aarão,   porquanto consideramos   como provável a informação dos  dicionaristas de que “É evidente que essas  três regulamentações refletem as preocupações de épocas  e de contextos diferentes” (MONLOUBOU e DU BUIT, 1997, p. 202).

Julgamos improcedente a informação da substituição do dízimo por terra, baseando-se em Nm 35,1-8. Na verdade, essa passagem nada tem a ver com dízimo. O que ali consta é a  parte dos levitas na herança das terras que Deus havia prometido aos  hebreus,  ou seja, que  caberia a eles  também uma parte das  terras  de Canaã,  de cujo povo iriam tomá-las à força.

Das terras espoliadas   dos   cananeus, parte caberia aos   levitas; portanto, uma situação esporádica e não uma regra comum.

Sobre a negligência mencionada em Neemias,  podemos  dizer que, realmente, há essa reclamação; mas é bom que a vejamos, pois, pelo visto, o que querem que nela está dito não é o que realmente nela está dito; vejamos:

Ne 13,10-13:  “Eu  soube também que as partes dos levitas não mais lhes eram dadas e que os levitas e os cantores encarregados do serviço haviam fugido cada qual para sua propriedade. Repreendi os magistrados  e disse-lhes: ‘Por que  o  Templo de Deus  está abandonado?’  Tornei  a reuni-los, e os reintegrei na  sua função.  Então todo o Judá trouxe para  os armazéns o dízimo do trigo, do vinho e do azeite. Nomeei para cuidar dos armazéns o sacerdote Selemias, o escriba Sadoc, Fadaías, um dos levitas e, como  seu assistente,  Hanã, filho de Zacur,  filho de Matanias, pois  eles tinham fama de íntegros; sua função era fazer as distribuições aos seus irmãos”.

Se Neemias reintegrou os levitas nas suas funções,  o certo é que eles não as estavam exercendo; portanto, não  mereciam o dízimo; não   é  verdade? Mas, mesmo assim,  o  dízimo que voltaram a pagar foi o do trigo, do vinho e do azeite; aquele mesmo  mencionado em Dt 14,22-23, que comentamos anteriormente.

Vejamos como o historiador hebreu Flávio Josefo (37-103 d.C.) narrou o fato:

[…] Neemias, vendo que Jerusalém não estava bastante povoada, induziu os sacrificadores e os levitas, que moravam no  campo, a virem para a cidade, morar nas casas que ele mandou construir e  obrigou os camponeses (o que eles fizeram com prazer) a lhes trazer os dízimos, que lhes deviam, a fim de que nada os pudesse impedir de se dedicar inteiramente ao serviço de Deus.[…] (JOSEFO, 2003, p. 266) (grifo nosso).

Na verdade, o pagamento do dízimo, aqui relatado, confirma que era sobre os produtos da terra, uma vez que foram os camponeses,  obrigados por Neemias,  que tiveram que pagá-lo. Camponês, segundo uma das  definições  do  Houaiss, é: “aquele que pertence a um grupo social formado por pequenos fazendeiros e trabalhadores rurais de baixa renda”.

Vejamos agora a outra passagem citada:

Ml 3,8-12: “Pode um homem enganar a Deus? Pois vós me enganais! – E dizeis: em que te enganamos?  Em relação  ao dízimo e à contribuição.  Vós estais sob a maldição  e continuais a me enganar, vós todo o povo. Trazei o dízimo integral para o Tesouro, a fim de que haja alimento na minha casa.  Provai-me com isto, disse Iahweh dos Exércitos, para ver se eu não abrirei as janelas  do céu e não derramarei sobre vós bênção em abundância. Por vós, eu ameaçarei o gafanhoto, para que não destrua os frutos de vosso campo, e para que a  vinha não fique estéril no campo,  disse Iahweh dos Exércitos. Todas  as  nações vos proclamarão felizes, porque sereis uma  terra de delícias, disse Iahweh dos Exércitos”.

Pelo  relato do texto deviam não estar pagando todo o  dízimo  devido; alguma coisa sonegavam, pois, pela boca do profeta Malaquias, Deus estava lhes exigido o dízimo completo.

Na advertência do profeta Malaquias, vemos que a recomendação é de que o levassem para o templo, para que houvesse alimento, ou seja, tratavam-se de produtos do campo; inclusive, eram eles que seriam objeto de atenção de Iahweh.  Por outro lado, isso também nos remete ao estabelecido em Dt 14,22-23.

Quanto a Mt 23,23, em relação ao dízimo da hortelã, da erva-doce e do cominho, é um passo em que Jesus deixa claro que deviam seguir essa prescrição; talvez, haja a sua razão de ser; vejamos esta explicação:

Exemplo concreto  de hipocrisia, que faz  questão  de preceitos leves, como o dízimo  das plantas comestíveis e vulgares, desprezando  os preceitos graves e importantes.  A menta (hortelã,  hêdyosmon) porque aromatiza os alimentos e servia de remédio para as taquicardias (eram comidos três ovos: um com menta, um com cominho e o   terceiro com sésamo); o endro  (ánéthon), comestível   muito usado; e o   cominho  (kyminon) também empregado como tempero e remédio. No entanto, negligenciavam o   discernimento  (krísis), a misericórdia  (éleos) e a fidelidade  (pístis).   E é acrescentada a fórmula: “devíeis fazer estas coisas,  sem omitir aquelas”,  ou seja,  não  é que a primeira esteja errada: é que deve ser mantida em sua posição real,   em segundo  lugar. Em Lucas são citadas: a hortelã a arruda (péganon) planta aromática e as hortaliças em geral  (láchanon),   e,   como negligenciadas, o discernimento e o amor de Deus (agápén tou theoú). No final de Mateus há uma daquelas ironias próprias de Jesus e originais: “guias cegos’ coais um mosquito  e engolis um camelo”  (hoi díulízontes ton  kônôpa, tên dè kámêlon  katapínontes). Figura metafórica das mais felizes, para sublinhar o ensinamento dado. (PASTORINHO, 1964, p. 45) (grifo nosso).

O que concluímos é que, por serem plantas medicinais, deveriam mesmo ser entregues, para uso  oportuno.  Mas  isso está muito longe de ter  o  caráter atribuído ao dízimo  nos  dias atuais.

Champlin (1933- ) é um outro autor que nos informa coisa bem semelhante:

Eles davam o dízimo (a décima parte) da menta, que era uma planta favorita, de aroma suave, que algumas vezes medrava nos soalhos das casas de moradia e das sinagogas,   para dar seu aroma suave e assim prover uma atmosfera mais agradável. Essa planta também era usada como especiaria; enquanto que  o   aniz, o   coentro e o cominho (que   são sementes  aromáticas)  eram usadas como condimentos e, algumas vezes, como medicamentos. (CHAMPLIN, vol. 1, 2002, p. 548) (grifo nosso).

Embora mude um pouco em relação   à informação   anterior, ainda assim,   ficamos convictos de que poderiam ser mesmo usadas, quer como condimentos ou medicamentos, em  benefício do povo; não dos sacerdotes.

As informações contidas   nessa primeira definição,   constante do  Dicionário Bíblico Universal, não passaram pelo nosso  exame crítico,  pois nitidamente foram elaboradas para justificar o dízimo dentro do meio católico. Sigamos em frente.

 

Dízimo.

Décima parte da produção, ou de   outros bens, que   se  consagram ao Senhor e se usam para fins religiosos. O primeiro dízimo mencionado nas Escrituras é o pago por Abraão ao sacerdote Melquisedec (Gen 14,20). Jacó prometeu pagar dízimo por todas as coisas que Deus lhe dera (Gen 28,20-22).  Os dízimos foram prescritos na Lei  Mosaica (Ex 22,29; Lev 27,30-34). Porções dos frutos da terra e do gado deviam ser oferecidas ao Senhor. De três em três anos,  os dízimos eram destinados às obras de caridade.  Mais tarde, apareceu o costume de dar o dízimo em espécie ou o seu valor para o santuário, onde era entregue aos levitas, como herança ou parte. Estes, por sua vez, davam um décimo de todos os dízimos recolhidos aos  sacerdotes (Num 18,21.26-28). Em período de declínio  religioso, o  pagamento de dízimos era negligenciado. Tal  acontecia em Judá, quando  o rei  Ezequias ordenou que os dízimos fossem pagos (2 Par 31,4-12). Malaquias disse ao povo que eles furtavam de Deus,  quando sonegavam os dízimos (Mal  3,8-11).  O costume de pagar dízimos continuou até os tempos do Novo Testamento (Lc 18,12), por ex. consta que os escrupulosos fariseus faziam questão de   pagar dízimos até das ervas do jardim (Mt 23,23; Lc 11,42).

(Dicionário Prático – Barsa, 1965, p. 81) (grifo nosso).

Vamos analisar os passos citados nessa definição.

Champlin e Bentes (1932- ) nos esclarecem que:

“Através das antigas alusões literárias, sabemos que  o dízimo existia em muitas culturas antigas, sob uma forma ou outra. O trecho de Gênesis 14:17-20 nos informa sobre o costume, antes da lei mosaica. Sabemos que a prática existia entre os gregos,   os romanos,   os cartagineses e os árabes” (CHAMPLIN e BENTES, 1995, p. 201) (grifo nosso)

Portanto, se ainda não constava da lei mosaica – o passo mencionado é apenas o relato de uma prática comum naquela época –, não  há razão de citá-lo como  se tivéssemos que cumpri-lo.

Ex  22,29, uma das passagens  citadas como  prescrição  do  dízimo,  na verdade, é Ex22,28-29,  e não se refere a ele, mas a uma outra situação, qual seja,  o direito consagrado a Deus da primogenitura, que estabelecia a obrigação de ser ofertado a Deus todo primogênito, tanto o  dos próprios  homens,  quanto  o dos animais. No  caso dos primogênitos do homem, esses poderiam ser resgatados; no dos animais não,  pois eles eram ofertados em sacrifício a Deus. Isso, ao que nos parece, iniciou-se com Abel (Gn 4,4). Em Ex 13,2, é onde aparece essa determinação para o povo hebreu, repetindo-se mais à frente da seguinte forma:

Ex 13,11-16: “Quando Iahweh te houver introduzido na terra dos cananeus, como jurou a ti e a teus pais, quando  a tiver dado a ti,  apartarás para Iahweh todo ser que  sair   por primeiro do útero materno, e todo primogênito dos animais que  tiveres: os machos serão de Iahweh.  Todo primogênito da jumenta, porém, tu o  resgatarás com um cordeiro; se não o resgatares, tu lhe quebrarás a nuca;  mas todo  primogênito do homem, entre teus filhos, tu o resgatarás. E quando amanhã o  teu filho  te perguntar: ‘Que significa isso?’, responder-lhe-ás: ‘Iahweh tirou-nos do  Egito, da casa da escravidão,  com mão forte. Pois tendo-se obstinado  Faraó e não  querendo  deixar-nos partir, Iahweh matou todos  os primogênitos na terra do Egito,  desde o primogênito do   homem até o   primogênito dos animais.  É por isso que  sacrifico a Iahweh todo macho que sai   por   primeiro do útero materno e  resgato todo primogênito de meus filhos.  Isto  será, pois,  como um sinal na tua  mão e como um frontal entre os teus olhos, porque Iahweh nos tirou do Egito com mão  forte”.

Além desse passo, em Ex 34,19-20 e Nm 18,14-17 o assunto da primogenitura também é tratado. A instituição da primogenitura estava ligada ao acontecimento da morte dos primogênitos dos egípcios, quando Deus  liberta  o  povo hebreu da escravidão no  Egito, como uma lembrança daquele feito. Então, não se trata de dízimo, conforme se argumentou.

Mas será que esse dízimo não aparece nunca? Aparece sim, caro leitor. Vamos,  agora, ver a passagem em que ele foi formalmente instituído:

Lv 27,30-32: “Todos os dízimos da terra, tanto dos produtos da terra como dos  frutos das árvores,  pertencem a Iahweh; é coisa consagrada a Iahweh…  Em todo  dízimo do gado graúdo ou miúdo, a décima parte de tudo o que passa sob o  cajado do pastor é consagrada a Iahweh”.

Então  fica claro  que os dízimos foram prescritos na Lei Mosaica como a décima parte dos frutos da terra e do gado graúdo ou miúdo – bois,  ovelhas e cabras –, que deveriam ser oferecidos ao  Senhor. Deus, por sua vez, doa tais  coisas aos levitas, como uma espécie de pagamento pelos serviços prestados (Nm 18,21). É só isso!

A expressão “o que passa sob o cajado do pastor”, “se refere ao costume que tinham os pastores  de contar o  gado, fazendo-o  passar por diante deles,   e impondo-lhe o cajado”. (Paulinas, 1957, p. 154).

Correta a afirmação de que, a cada três anos, os dízimos eram destinados às obras de caridade:

Dt 14,28-29: “A cada três anos tomarás o dízimo da tua colheita no terceiro ano e  o colocarás em tuas portas.  Virá então o levita  (pois ele não tem parte nem  herança contigo), o estrangeiro, o órfão e a viúva que vivem nas tuas cidades,  e eles comerão e se saciarão.  Deste modo Iahweh teu Deus te abençoará em todo  trabalho que a tua mão realizar”.

Mais uma vez, chamamos a sua atenção, leitor, para a destinação do dízimo: “comerão e  se saciarão” ou “até ficarem saciados”,  conforme algumas traduções; nada para manter na preguiça os  líderes religiosos. Paulo, inclusive,   dá  o   exemplo de não viver às   custas de  ninguém:

2Ts 3,7-9: “Bem sabeis como deveis imitar-nos. Não vivemos de maneira desordenada em vosso meio, nem recebemos de graça o pão que comemos; antes, no esforço e na fadiga, de noite e de dia, trabalhamos para não sermos pesados a nenhum de vós. Não porque não tivéssemos direito a isso; mas foi para vos dar exemplo a ser imitado”.

Na sequência, ele,  incisivamente, relembra a regra que havia sido  criada:  “quem não quer trabalhar também não há de comer” (2Ts 23,10).

A informação de que “Mais tarde, apareceu o costume de dar o dízimo em espécie ou o seu valor para o santuário”, constante do  Dicionário Prático – Barsa, não tem procedência bíblica, pois não há uma só passagem que diga isso; assim,  fica evidenciado que interpretam os textos na forma que melhor lhes convém.

Transcreveremos, para elucidar possíveis  dúvidas, o  passo de Números, capítulo 18, cuja citação teve a intenção de nos induzir a crer que se permitia pagar o dízimo em dinheiro.

Vamos dividi-lo em três partes, conforme os títulos que os  tradutores  da  Bíblia de Jerusalém deram:

1ª) A parte dos sacerdotes

Nm 18,8-19:  “Iahweh disse a Aarão: ‘Eis   que te dei  o   encargo  daquilo que é separado para mim.  Tudo aquilo que os  israelitas consagrarem eu te dou, como a parte que te é atribuída, bem como  a   teus filhos,   e isto   como   um estatuto perpétuo. Eis o que te pertencerá das coisas santíssimas, das oferendas apresentadas: todas  as oferendas que me restituírem os israelitas, a título  de oblação, de sacrifício pelo  pecado e de sacrifício de reparação; são coisas santíssimas,  que te pertencerão, bem como a teus filhos.  Vós vos alimentareis de coisas santíssimas. Toda pessoa do  sexo  masculino poderá comer delas. Tu as considerarás  sagradas. Isto também te pertencerá: aquilo que é reservado das oferendas dos  israelitas, de tudo  aquilo  que é erguido  em gesto de apresentação; dou-o  a ti, a teus filhos  e a tuas filhas,  como estatuto perpétuo.  Todo o que estiver puro, na   tua  casa, poderá  dele comer.

Todo o melhor   do azeite, todo o melhor do vinho novo e do trigo, estas  primícias que oferecem a Iahweh, dou-as a ti. Todos os primeiros produtos do seu  país, que trazem a Iahweh,  te pertencerão;  todo aquele que estiver puro, na  tua  casa, poderá comer dele.  Tudo  aquilo  que estiver atingido  por anátema, em Israel,  será para ti.  Todo primogênito que se traz a Iahweh te pertencerá, tudo aquilo  que procede de um ser de carne, homem ou animal; tu, porém, farás resgatar  o primogênito do homem e,  igualmente, farás resgatar o primogênito de um animal  impuro. Tu o  resgatarás com um mês de idade,  dando-lhes o  valor de cinco siclos de  prata, segundo o siclo do santuário, que é de vinte geras.  Os primogênitos da vaca,  da ovelha  e da cabra não serão resgatados. São santos: derramarás o seu  sangue sobre o altar, e queimarás a sua gordura como oferenda queimada de  perfume agradável a Iahweh, a sua carne te pertencerá, assim como o peito  que será apresentado e a coxa direita. Todas as oferendas que os israelitas trazem  a Iahweh, das coisas santas, dou-as a ti, bem como a teus filhos e a tuas filhas, como  um estatuto perpétuo. É uma aliança eterna de sal diante de Iahweh,  para ti e para a  tua descendência contigo’”.

Tudo  que era ofertado  por conta de sacrifícios, oblações, primícias e os primogênitos dos animais puros,  passava a pertencer aos sacerdotes. Não encontramos nada a respeito de dízimo em dinheiro,  para sustentar  o que foi afirmado na definição.  Em Dt 18,3-5, também  temos a discriminação do que lhes cabe.

2ª) A parte dos levitas

Nm 18,20-24: “Iahweh disse a Aarão: ‘Não terás herança alguma na terra deles e nenhuma parte haverá  para ti no meio deles.  Eu sou a tua parte e a tua herança no meio dos  israelitas. Eis   que  aos filhos de Levi dou por herança todos os dízimos arrecadados em Israel, em compensação pelos seus serviços, isto é, o serviço que fazem na Tenda da Reunião.  Os israelitas não  se aproximarão  jamais da Tenda da Reunião: carregariam um pecado e morreriam. Levi fará, o serviço da Tenda da Reunião e os levitas levarão o peso das suas faltas. E estatuto perpétuo para as vossas gerações: os  levitas  não  possuirão herança alguma no  meio  dos  israelitas, visto que são os dízimos que os israelitas   separam para Iahweh, que eu dou por herança aos levitas. Eis por que lhes disse que não possuirão herança alguma no meio dos israelitas’”.

Aos levitas cabiam os dízimos   arrecadados, e, como já vimos,   não   havia dízimo pecuniário, apenas de produtos agropecuários.

3ª) Os dízimos

Nm 18,25-32:  “Iahweh falou a Moisés e disse:  ‘Falarás aos levitas e lhes dirás:

Quando tiverdes dos israelitas os dízimos que vos dou como herança da parte  deles, separareis a parte de Iahweh, o dízimo dos dízimos. Essa parte tomará o  lugar daquilo  que é separado, a ser tomado de vós, como se fosse  o trigo  tomado  da  eira e o  vinho novo  tomado do  lagar. Assim, pois, vós  também retirareis a parte de  Iahweh de todos os dízimos que receberdes dos israelitas: dareis aquilo que houverdes  separado para Iahweh ao   sacerdote Aarão. De todas as oferendas  que receberdes  retirareis  a parte de Iahweh; do melhor de todas  as coisas  retirareis  a parte sagrada.  Tu lhes dirás: ‘Quando houverdes separado o melhor, todas  essas dádivas serão para  os levitas, como se fossem produto da eira e produto do lagar. Podereis comê-las em  qualquer  lugar, vós e a vossa família: é o vosso salário pelo vosso serviço na  Tenda da Reunião. Não sereis culpados de pecado algum por isso, desde que separeis  o melhor; não   profanareis as coisas   consagradas   pelos israelitas, para que não  morrais’”.

Aqui temos a obrigação dos levitas, por sua vez,  de pagarem  o  dízimo  dos dízimos recebidos do povo aos sacerdotes.

O que julgamos importante destacamos nos próprios textos bíblicos, exatamente aquilo que vem corroborar tudo  quanto estamos  dizendo no presente estudo. Nada de dízimo  em dinheiro.

 Cita-se Ezequias, rei de Judá, ordenando o pagamento do dízimo,  que o  povo  haviane gligenciado. A passagem, que descreve o fato, é assim narrada:

2Cr 31,4-12:”Ordenou também ao povo, aos habitantes de jerusalém que dessem aos sacerdotes e aos levitas a parte que lhes tocava, a fim de que pudessem observar  a Lei de Iahweh.  Logo que foi promulgada essa ordem,  os israelitas ajuntaram as primícias do trigo, do vinho, do óleo, do mel e de todos os produtos agrícolas e trouxeram em abundância o dízimo de tudo.

Os israelitas e os  de Judá, que moravam nas cidades de Judá,  trouxeram  também o dízimo dos bois e das ovelhas e o dízimo das coisas santas consagradas  a Iahweh; trouxeram-nos,   fazendo grandes montões. Foi no   terceiro mês que começaram a fazer tais montões e terminaram no sétimo. Ezequias e os oficiais vieram ver os  montões e bendisseram a Iahweh e a Israel, seu povo. Ezequias interrogou os sacerdotes  e os levitas acerca dos montões.  O grão-sacerdote Azarias, da casa de Sadoc,   respondeu-lhe:  ‘Desde que começaram a trazer essas oferendas ao  Templo de Iahweh, temos tido o que comer com fartura  e tem sobrado muita  coisa,   pois   Iahweh abençoou seu povo; esta grande quantidade é o que sobra.

Ezequias ordenou que se preparassem celeiros no Templo  de Iahweh, o  que foi feito. Depois depositaram-se ali, fielmente, as oferendas, os dízimos e as coisas consagradas.Foi constituído chefe responsável o levita Conenias, auxiliado por seu irmão Semei”.

O teor da passagem não tem nada a ver com o que querem dela retirar. Até aqui não há nenhum passo em que se dá dízimo em dinheiro; o dízimo é apenas o produto do campo.

E em relação ao que aconteceu no  tempo de Malaquias,  nós já comentamos antes  o passo dele citado (Ml 3,8-11).

Ao afirmarem, no final da explicação do Dicionário Prático – Barsa, que “O costume de pagar dízimos continuou até os tempos do Novo Testamento (Lc 18,12), por ex. consta que os escrupulosos fariseus faziam questão de pagar dízimos até das ervas do jardim (Mt 23,23; Lc 11,42)”   (Dicionário Prático  – Barsa, 1965, p.  81), tentam nos levar a crer que se pagava o dízimo de tudo, até das coisas insignificantes, o que não é verdade. Vejamos como, nas várias traduções bíblicas, divergem os textos da passagem de Lc 18,12:

Pastoral:  “Eu faço  jejum duas vezes por semana, e dou  o  dízimo  de toda   a  minha renda”.

Barsa: “Jejuo duas vezes na semana: pago o dízimo de tudo o que tenho”.

Novo Mundo: “Jejuo duas vezes por semana,  dou o décimo  de todas as coisas que adquiro”.

Ave Maria: “Jejuo duas vezes na semana e pago o dízimo de todos os meus lucros”.

Shedd: “Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho”.

Vozes: “Jejuo duas vezes por semana, pago o dízimo de tudo que possuo”.

Nesses seis  textos estão resumidas todas as variações da narrativa da passagem em questão que pudemos encontrar nas  Bíblias  relacionadas  na bibliografia. Parece-nos que os tradutores  se esforçaram para impingir ao  leitor a ideia de que de tudo  dever-se-ia pagar o dízimo; adotando um processo subliminar em relação aos fiéis, com o objetivo de convencê-los da determinação bíblica do pagamento do dízimo sob qualquer forma, inclusive em dinheiro, a ponto dos a ele sujeitos aceitarem como um benefício dado por Deus.

Recorreremos a Champlin, que nos explica esse passo:

Os fariseus também caíam quanto  à questão do dízimo,  chegando a dar os  dízimos até mesmo da menta, do anis e do cominho. A menta era uma planta de aroma suave, que algumas vezes era espalhada nos soalhos das casas e das sinagogas a fim de dar seu   aroma suave,   provendo uma atmosfera mais agradável.   Também era usada como   condimento, ao  passo  que  o   anis e o cominho   (que eram sementes aromáticas) eram usadas como  tempero, ou, noutras vezes,  como medicamento.  A lei original exigia que  somente os produtos agrícolas fossem dizimados (ver Deut. 14:22,23). (CHAMPLIN, vol. 2, 2005, p. 176) (grifo nosso).

Vale a pena repetir esse testemunho: “A lei original exigia que somente os  produtos agrícolas fossem dizimados”; Não podemos deixar de considerar que esse passo de Lucas foi um acréscimo posterior,talvez , colocado, especificamente, para justificar o  dízimo. O exegeta Carlos   T. Pastorino (1910-1980), analisando-o, assim o explicou: dá o dízimo  (a décima parte) “de tudo quanto ganha” (pânta hósa ktômai)  o que   também significava um acréscimo às exigências legais (Lev. 27:30-33 e Deut. 14:22-29) que só ordenava recolher o   dízimo   das  colheitas e dos rebanhos. Dízimo “de tudo”  só lemos ter sido dado por Abrão a Melquisedec (Gên. 14:20). (PASTORINO, 1969, p. 62)

A questão, para nós, seria apenas saber quem foi o “pai dessa criança”. Parecia que não iríamos encontrar; entretanto, chegamos a uma explicação bem próxima da realidade. Leia :

DÍZIMO. Era a contribuição obrigatória, entregue ao santuário para sustentar

os sacerdotes e levitas (Nm 18,21-32), os pobres, os órfãos e as viúvas (cf. Dt 14,22-29; Tb 1,7s e notas).  A contribuição  referia-se à décima parte dos cereais, do vinho e do azeite. Os fariseus pagavam, porém, o dízimo até dos produtos mais insignificantes, como as hortaliças (Mt 23,23). (Bíblia Sagrada –Vozes, p. 1521) (grifo nosso).

Aqui, então, temos a confirmação do que estamos falando desde o início deste estudo. Parabéns aos tradutores dessa versão pela honestidade demonstrada nessa explicação!

Mais uma elucidação sobre o dízimo:

IV. Elemento da Doutrina do Dízimo sob a Lei Antes da lei, os dízimos já existiam, embora não parecesse fazerem parte  regular do   culto religioso. Em outras palavras, não havia preceito  que requeresse  o dízimo como um processo  contínuo e específico. Porém,  não se pode duvidar de que o dízimo  era praticado  pelos patriarcas, antes mesmo de  sua instituição legal.  Os dízimos passaram então a ser usados dentro do sistema de sacrifícios, como  parte do  culto prestado a Yah, para sustento   dos sacerdotes levíticos; e, provavelmente, esses fundos também eram usados para ajudar os pobres, em suas necessidades.  Há alusões a esse uso  dos dízimos no tocante a deuses pagãos,   como   Júpiter, Hércules e outros (Her.  Clio,  sive 1,1,  c. 89;  Varro  apud Macrob.  1:3,  c.  12).

Quem já não prometeu alguma coisa a Deus, se pudesse realizar isto ou aquilo?

Conforme minha mãe costumava dizer: “Algumas vezes, isso funciona; mas, de outras vezes, não”.

1. Coisas que   eram dizimadas. Colheitas, frutas, animais do rebanho   (Lev. 27:30-32). Não  era permitido escolher animais inferiores. Ao  passarem os animais para pastagem,  de cada dez,  um era separado como  o dízimo  (Lev. 27:32 ss).  Produtos agrícolas podiam ser retidos, se   o equivalente   em dinheiro fosse dado; mas, nesse caso, um quinto adicional tinha de   ser oferecido. Contudo,  não era permitido remir uma décima parte dos rebanhos de gado ovino e vacum, desse modo,  uma vez que os animais tivessem sido   dizimados (Lev. 27:31,33).   Certa referência neotestamentária,  em Mat.  23:23 e Luc.  11:42; de dízimos sobre a hortelã,  o endro e o cominho, reflete um exagerado desenvolvimento da prática do dízimo, em tempos judaicos posteriores.  Comentamos sobre isso,  detalhadamente,  no NTI,  in loc.  As passagens de Deu.  12:5-19; 14:22.29 e 26:12.15 falam sobre algumas modificações quanto à lei sobre o dízimo. O trecho de Amós 4:4 mostra que o legalismo e os abusos contra o dízimo já haviam invadido a prática.

A Mishna (Maaseroth 1:1) informa-nos de que tudo quanto era produzido e usado em Israel  estava sujeito ao dízimo,  e isso era exagerado  ao ponto de incluir os mais ínfimos produtos.

2. Que dízimos eram dados e a quem. A legislação acima mencionada, dentro  do livro  de Deuteronômio,  dá orientações específicas sobre como e a quem os dízimos deveriam ser entregues.  Originalmente,  os dízimos eram dados aos levitas (Núm. 18:21 ss), tendo  em vista a manutenção dos ritos religiosos. Mais tarde, isso ficou mais complexo ainda. Os dízimos eram levados aos grandes religiosos. Quando convertidos em dinheiro, os dízimos eram novamente depois convertidos em produtos no local de adoração,  para serem gerenciados pelos levitas e o proprio ofertante (Deut.  14:22-27). Ao fim de três anos,  todos os dízimos que tivessem sido recolhidos eram levados ao  lugar próprio de depósito, e seguia-se então uma grande celebração. Os estrangeiros, os órfãos, as viúvas (os membros mais carentes da sociedade) eram assim beneficiados, mediante essa prática, juntamente com os levitas (Deut. 14:28,29).

Cada israelita precisava desempenhar a sua parte nessa questão dos dízimos, a fim de ser cumprido o mandamento divino (Deut. 26:12-14).

3.  Sumário   dos regulamentos.

a.   Uma décima parte dos dízimos recolhidos era usada no  sustento dos levitas.

b. Disso, uma décima parte era dada a Deus, para ser usada pelo sumo sacerdote.

c. Aparentemente havia um segundo dízimo, usado para financiar as festas religiosas.

d. Um terceiro dízimo,  11 ao que parece, era destinado aos membros menos afortunados da sociedade, o que ocorria a cada três anos. Alguns intérpretes, porém, supõem que o segundo e o terceiro  dízimos eram o mesmo dízimo ordinário,  embora distribuídos de modos diferentes. E,  nesse caso, estava envolvido apenas um dízimo adicional, e isso somente de três em três anos. No entanto, nos escritos de Josefo temos informes de que,   na verdade, havia três dízimos separados: um para a manutenção dos levitas; outro para a manutenção das festas religiosas; e,  a cada três anos, para sustento dos pobres.  Tobias 1:7,8 é um trecho que dá a entender a mesma coisa. Entretanto,   há uma referência nos escritos de Maimônides que diz  que o segundo dízimo do  terceiro e do sexto ano era distribuído entre os pobres e os levitas; e, em face desse comentário, retornamo-nos à outra ideia que fala em apenas dois dízimos distintos, embora distribuídos de modos diferentes.

Dízimos sobre os animais usados nos sacrifícios. Esses eram consagrados a Yahweh, pelo   que tinham um lugar especial entre os dízimos,   estando diretamente envolvidos no sistema de sacrifícios e ofertas.

4.  Lugares para onde eram levados os dízimos. O principal desses lugares era  Jerusalém (Deut.  12:5 ss; 17 ss).  Uma cerimônia era efetuada nessa ocasião (Deu. 12:7,12), sob a forma de uma refeição. Se um homem não pudesse transportar a sua produção, ele podia substituí-la por dinheiro (Deu. 14:22-27). A cada três anos, os dízimos podiam ser depositados no  próprio local onde o  homem habitasse (Deut. 14:28 as). Mas, nesse caso, o  indivíduo ainda precisava viajar até Jerusalém, a fim de adorar ali  (Deut. 26:12  ss). (CHAMPLIN e BENTES, 1995, p. 202). (grifo nosso).

Conforme já vimos anteriormente, não havia dízimo em dinheiro, somente de produtos agrícolas, os quais se poderiam resgatar, caso houvesse interesse; mas isso é completamente  diferente do que pagar dízimo em moeda corrente. Em Lv 27,31 previa-se o resgate do dízimo dos  produtos do   campo, devendo  pagar vinte por cento além do  valor dele. No caso do primogênito  dos animais, também poderia haver  o  resgate (Nm 18,15-16); mas,  conforme nosso entendimento, isso é outra coisa, que não é dízimo.

A conversão em dinheiro, citando Dt 14,22-27, que já comentamos anteriormente. ( demonstra apenas que para efeito de transporte poderia ser convertido em dinheiro, mas novamente resgatado em comida quando chegasse ao local determinado, sendo que o próprio dizimista comia ali o dizimo com os levitas)

E mais uma vez é relacionado o dízimo a uma cerimônia sob a forma de uma refeição, o que tira dele qualquer sentido pecuniário, ressalvados os casos de resgate, onde realmente era permitido substituir o dízimo por dinheiro, conforme já falamos.

E,  finalmente, encontramos uma passagem bíblica que vai tirar possíveis dúvidas, embora o livro em que ela consta só faça parte das Bíblias católicas. Entretanto,  mesmo  que não o   considerem inspirado,  não  poderão  negar-lhe o valor histórico, tendo sido “escrito, provavelmente, por volta do ano 200 a.C.”. (Bíblia Vozes, p. 528). Vejamos:

Tb 1,3-8: “.Eu, Tobit, durante toda a minha vida, andei pelos caminhos da verdade e da justiça. […] Muitas vezes, eu era o único a ir em peregrinação a Jerusalém, por ocasião das festas,  a fim de cumprir a Lei perpétua que obriga todo   o   Israel.  Eu corria  a Jerusalém com os primeiros produtos da  lavoura  e as primeiras crias dos  animais, com o dízimo do gado e  a primeira lã das ovelhas, e os entregava aos  sacerdotes, filhos de Aarão, para o altar. Aos levitas que estavam exercendo função em  Jerusalém,  eu entregava o  dízimo do trigo, do vinho,  do óleo, das romãs, dos figos e  das frutas.  Por seis anos consecutivos,  eu converti o segundo  dízimo em dinheiro e o  gastava a cada ano em Jerusalém. O terceiro dízimo, eu dava para os órfãos, as viúvas  e os estrangeiros convertidos que viviam com os israelitas, e o dava a eles de três em  três anos. Então nós comíamos juntos, conforme a lei de Moisés e a orientação que nos deixou Débora,  mãe do nosso pai Ananiel, pois meu pai tinha morrido, deixando-me órfão”.

Prova, portanto,   o  que estamos falando desde o início,  o  dízimo   era apenas uma obrigação dos produtores agrícolas, não havia dízimo sobre renda, salário, lucro, bens, etc.

 

Conclusão

 

Acreditamos que,   se fosse para cumprir  o   que determina a Bíblia,   somente os produtores   rurais deveriam pagar  o dízimo; fora disso   é pura extrapolação,   ou melhor,  exploração.

Logo, nos dias  de hoje,  não caberia oferta do dízimo  em decorrência do exercício  das atividades profissionais da época atual, ainda que assemelhadas às existentes nas respectivas épocas dos  textos  bíblicos,  que não  estavam neles incluídos como,  por exemplo,  artesãos, marceneiros, comerciantes, advogados, professores, funcionários públicos, etc….

O que observamos nas lideranças religiosas, é que elas usam da dificuldade que os fiéis têm de entender os textos bíblicos, em benefício da estrutura religiosa a que pertençam, ou do seu próprio. Sabendo que a esmagadora maioria das pessoas não consegue, em muitos passos bíblicos,   uma compreensão plena,   essas   lideranças   se aproveitam disso para passar o entendimento da estrutura religiosa a que se vinculam,  que é aceito sem um mínimo de  questionamento. Com essa questão do dízimo, isso fica muito claro para nós.

Mas vejamos o que ainda Champlin e Bentes disseram sobre o assunto:

V. O Dízimo no Novo Testamento

 Algumas pessoas conseguem fazer os dízimos parecerem obrigatórios, dentro  da economia cristã,  e  encontram textos de  prova, no Novo  Testamento, para justificar essa prática.  Mas outros não  podem encontrar a idéia do dízimo   obrigatório   no período do Novo Testamento, julgando que essa prática é uma pequena exibição  de legalismo, do que os crentes estão isentos. De certa feita,  ouvi  um sermão que tinha o propósito de impor a obrigatoriedade do dízimo aos crentes do Novo Testamento, por meio de trechos do Novo Testamento. O pregador usou a passagem de Lucas 11:42.

Jesus repreendeu   os fariseus, porque tinham o   cuidado   de dizimar sobre pequenas questões legais,   embora desconsiderassem as questões realmente importantes, como a justiça e  o amor.  Essas questões mais importantes, pois,  eles deveriam pôr em prática,  sem desconsiderar as coisas menos importantes.

É evidente que Jesus reconhecia a natureza obrigatória dos dízimos, no caso da nação  de Israel, mas está longe de ser claro  que isso envolvia até mesmo a Igreja Cristã. Normalmente, os teólogos concordam que o Novo Testamento é um pacto de liberdade,   e que cada crente deve dar a Deus conforme o Senhor  o fizer prosperar,  sem ser obrigado,  contudo, a contribuir com somas específicas (1 Cor.  16:1,2).  Entretanto, esse texto não  assevera diretamente como   a Igreja cristã deve contribuir, porquanto envolve, especificamente,  uma coleta especial, feita para ajudar os santos pobres de

Jerusalém.  Apesar disso,  alguns estudiosos supõem que essa instrução paulina serve de princípio  geral  quanto aos dízimos no seio  do cristianismo.  O   fato, porém,  é  que  o  Novo  Testamento não  nos dá qualquer instrução direta sobre a questão dos dízimos, embora frise a questão da generosidade, uma parte da lei do  amor,  no tocante a todas as nossas ações e culto religioso.

Muitos intérpretes pensam que o silêncio do Novo Testamento é proposital, dando   isso   a entender que  o crente não   está sob a lei,   incluindo   a regulamentação sobre os dízimos; antes, deveria ele ser guiado pela lei doEspírito. Ainda outros eruditos opinam que o silêncio das Escrituras, nesse caso, é circunstancial, pelo que não teria qualquer significado. Nesse caso, poderíamos supor que a legislação veterotestamentária continua a vigorar nos dias do Novo Testamento.  Isso entretanto,  é uma precária proposição teológica,  se levarmos em conta tudo quanto Paulo disse sobre o fato de que não estamos debaixo da lei ( Mosaica do Templo). (CHAMPLIN e BENTES, 1995, p. 202-203) (grifo e comentario em entre paretesis  nosso).

Assim, podemos ver que não há como se apoiar em alguma passagem do   Novo Testamento para justificar o dízimo, especialmente da forma como o cobram nos dias de hoje. A bem da verdade, nem mesmo poder-se-ia apoiar a sua cobrança em textos do  Antigo Testamento. Fazemos nossas as seguintes palavras desses dois autores: “De fato, do ponto de vista  teológico,  não posso ver como poderíamos considerar o dízimo obrigatório para a Igreja cristã”. (CHAMPLIN e BENTES, 1995, p. 203).

A única passagem em que poderemos ver algo mais positivo a respeito é em Hebreus:

“Segundo a lei de Moisés, os descendentes de Levi, que se tornam sacerdotes, devem cobrar o  dízimo do  povo, isto   é, dos   seus irmãos, embora estes também sejam descendentes de  Abraão” (Hb 7,5). Mas, como podemos observar, o autor desse livro, aliás, um ilustre  desconhecido,  muito bem observou: “lei de Moisés”; não Lei de Deus.  Para corroborar essa questão, vamos ver o que o historiador hebreu Flávio Josefo,  que viveu naquela época, disse  sobre isso:

De medo que a tribo de Levi, vendo-se isenta da guerra, só se ocupasse nas coisas necessárias para a vida e descuidasse do   serviço   de Deus,  Moisés determinou que, depois que se tivesse conquistado o país de Canaã, se dariam a essa tribo  quarenta e oito das melhores cidades de todas as terras que se encontrassem,  não  distante mais de duas milhas e,  que o povo lhe  pagaria todos os anos e aos sacrificadores a décima parte dos frutos que recolhesse, o que foi depois inviolavelmente cumprido. (JOSEFO,   2003,   p. 112). (grifo nosso).

O  que mais  nos deixou surpreso nesse relato  de Josefo é que  o dízimo era anual (Dt 24,22-23), não um pagamento que é exigido em quase toda vez que o cliente, digo, fiel for à  igreja, como  acontece atualmente.  Eis, mais  um importante testemunho que confirma, mais uma vez, que  o dízimo  não é sobre renda alguma,  mas sobre os  frutos recolhidos a cada colheita, fato   que ainda podemos confirmar em Borg e Crossan: “Os impostos locais, comumente chamados de ‘dízimos’, eram sobre a produção agrícola”   (BORG e CROSSAN, 2007, p. 34).

E,  visando  esclarecer, mais ainda, vejamos o  que Will Durant, filósofo,  historiador e escritor, disse:

Só os sacerdotes podiam oferecer sacrifícios,  ou explicar os mistérios e ritos da fé.  Formavam  uma casta fechada,  para a qual  só tinham ingresso as pessoas da tribo de Levi, um dos filhos de Jacó. Não   podiam herdar  propriedades,  mas estavam isentos de taxas e impostos;  percebiam o dízimo das colheitas e   rebanhos, e utilizavam-se pessoalmente das oferendas ao Templo  não  consumidas pelo  deus.  Depois do  Exílio  a riqueza do  clero cresceu com a riqueza pública; e com a boa administração conservou-se em aumento a ponto de fazer os sacerdotes do Segundo Templo mais poderosos do que os reis  – como  sucedera em Tebas e na Babilônia. (DURANT, 1957, p. 18-19) (grifo nosso).

Certamente que vemos a necessidade de recursos para se manterem as   igrejas, visando cobrir despesas como: luz, água, funcionários, material de limpeza, aluguel,  obras  sociais, etc., que não  há como fazer, senão  pela contribuição dos que frequentam aquela denominação religiosa. Mas tudo dentro das possibilidades de cada um, sem extorsão, como, infelizmente,  vemos por aí. Quem pode dar mais  que dê,  da mesma forma que quem não puder dar nada, não se sinta obrigado a dar o que não tem.

Entretanto, como Champlin e Bentes bem perceberam, a realidade é:

Atualmente, vemos o espetáculo de missionários evangélicos que constroem para si mesmos grandes mansões, lares luxuosos, etc.

Quando isso sucede,   sabemos que  o   dinheiro   está sendo   empregado egoisticamente, e não para o serviço do Senhor. Há uma grande diferença entre o  altruísmo  e  o egoísmo; mas alguns missionários evangélicos parecem nunca ter aprendido a diferença. Direi agora o que penso sobre tudo isso.  O próprio fato  de que há crentes disputando  sobre se devem contribuir ou não  com uma miserável parcela de dez  por cento mostra  o  baixo nível de espiritualidade em que se encontram. Quanto maior for a espiritualidade de um crente, maior será a sua liberalidade para com  o dinheiro   com que contribui  para a causa do evangelho,   ou   com que alivia as necessidades das pessoas ao seu redor.(CHAMPLIN e BENTES, 1995, p. 203). (grifo nosso).

Portanto, mesmo sendo voluntárias e não obrigatórias, devemos ter bastante cautela ao fazermos  nossas doações,  para que, assim,  não fiquemos engordando  parasitas, que só  se preocupam com o seu próprio ego. Pedro já nos alertara sobre esses falsos profetas dizendo:

“Muitos seguirão suas doutrinas dissolutas e, por causa deles, o caminho da verdade cairá em  descrédito.  Por  avareza, procurarão, com discursos fingidos, fazer  de vós objeto de  negócios” (2Pe 2,2-3).

Paulo da S. N. Sobrinho

mai/2007. (revisado out/2011)

 

 

Referências bibliográficas:

A Bíblia Anotada, 8ª edição, São Paulo: Mundo Cristão, 1994.

A Bíblia Tradução Ecumênica, 1ª edição, São Paulo: Loyola; São Paulo: Paulinas, 1996.

Bíblia de Jerusalém, nova edição, revista e ampliada, São Paulo: Paulus, 2002.

Bíblia do Peregrino, edição brasileira, São Paulo: Paulus, 2002.

Bíblia Sagrada, 37ª edição, São Paulo: Paulinas, 1980.

Bíblia Sagrada, 3ª edição, São Paulo: Paulinas, 1977.

Bíblia Sagrada, 5ª edição, Aparecida-SP: Santuário, 1984.

Bíblia Sagrada, 68ª edição, São Paulo: Ave Maria, 1989.

Bíblia Sagrada, 8ª edição, Petrópolis, RJ: Vozes, 1989.

Bíblia Sagrada, 9ª edição, São Paulo: Paulinas, 1957.

Bíblia Sagrada, Edição Barsa, s/ed. Rio de Janeiro: Catholic Press, 1965.

Bíblia Sagrada, Edição Pastoral. 43ª impressão. São Paulo: Paulus, 2001.

Bíblia Sagrada, Edição Revista e corrigida, Brasília, DF: SBB, 1969.

Bíblia Sagrada, s/ed. São Paulo: SBTB, 1994.

Bíblia Shedd, 2ª Edição rev. e atual. no Brasil. São Paulo: Vida Nova; Brasília: SBB, 2005.

Escrituras Sagradas, Tradução do Novo Mundo das. Cesário Lange, SP: STVBT, 1986.

Novo Testamento, s/d, São Paulo: Loyola, 1982.

BORG, M. J. e CROSSAN, J. D. A última semana, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.

CARSON, D. A. Os perigos da interpretação bíblica. São Paulo: Vida Nova, 2008.

CHAMPLIN, R. N. e BENTES, J. M. Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia, Vol. 2, São Paulo: Candeia, 1995.

CHAMPLIN,  R.  N.  O Novo Testamento interpretado versículo por versículo,  vol.  1. São Paulo: Hagnos, 2002.

CHAMPLIN,  R.  N.  O Novo Testamento interpretado versículo por versículo,  vol.  2, São Paulo: Hagnos, 2005.

DURANT,  W.  História da civilização 1ª parte – Nossa herança oriental. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1957.

JOSEFO, F. História dos Hebreus, Rio de Janeiro, CPAD, 2003.

MONLOUBOU, F. e DU BUIT, F.   M.  Dicionário Bíblico   Universal,   Petrópolis, RJ: Vozes; Aparecida, SP: Santuário, 1997.

PASTORINHO, C. T. Sabedoria do Evangelho, vol. 5, Rio de Janeiro: Sabedoria, 1964.

PASTORINHO, C. T. Sabedoria do Evangelho, vol. 6, Rio de Janeiro: Sabedoria, 1969.

share

Deixe uma resposta